• @WLLNEWS ツ - Blog Portal -  Assuntos Variados

    @WLLNEWS - Tecnologia, Conhecimento, Polêmico, Notícias, Humor, Dicas, opiniões, novidades, blog.

    31 de out de 2011

    Veja os 8 desafios para a saúde de quem vive no planeta de 7 bilhões

    foto da internet

    Veja os 8 desafios para a saúde de quem
    vive no planeta de 7 bilhões de pessoas

    População tende a enfrentar problemas no acesso à água e alimentos
    João Varella, do R7
    irmãs chinesasreuters
    A população de 7 bilhões de pessoas no mundo, número atingido nesta segunda-feira (31), marca uma série de novos desafios para a saúde. Uma população que cresce em ritmo acelerado, com aumento na expectativa de vida e uma matriz energética poluente e não renovável são alguns dos fatores que colocam em xeque a saúde de cada indivíduo.

    Leia mais notícias do dia


    A superpopulação não pode ser entendida como uma simples conta matemática de demografia e saúde. Para entender o cenário global do que vai afetar como viveremos, é preciso entender que meio ambiente, economia, saúde, urbanismo, relações internacionais entre outros campos do conhecimento influenciam um ao outro. 


    O
    R7 elaborou uma lista com oito dos principais desafios:

    Desnutrição


    Neimar Marcos Ninguém, bioconstrutor e palestrante de permacultura, aponta que o custo do transporte para abastecer as cidades deve aumentar com a crescente degradação da mobilidade urbana. Isso vai acarretar em aumento de custo para os mais pobres. As regiões da África Subsaariana, leste e sudeste asiático são particularmente sensíveis nesse tema. Para se ter uma ideia da vulnerabilidade da região, segundo a UNFPA (Fundo de População das Nações Unidas), a crise econômica global empurrou mais de 64 milhões de pessoas para a pobreza extrema de 2008 a 2010.


    Cerca de 17 mil espécies conhecidas de plantas e animais estão em risco de extinção. As consequências dessa perda de biodiversidade são inúmeras, entre elas, o risco da segurança alimentar humana. Segundo a ONU, podem deixar mais 25 milhões de crianças subnutridas em 2050, especialmente no Sul da Ásia.


    Má alimentação


    Por outro lado, o crescimento econômico de alguns países sem uma melhoria educacional pode trazer pioras na alimentação. Um exemplo disso é o próprio Brasil.
    Estudo divulgado neste ano pela FGV (Fundação Getulio Vargas) aponta que, nos últimos dez anos, 39,5 milhões dos brasileiros mais pobres melhoraram de vida e ingressaram na classe C, que hoje agrega 55% da população total, com cerca de 100 milhões de integrantes.

    O movimento foi acompanhado por um aumento nas taxas de excesso de peso, que passaram de 42,7%, em 2006, para 48,1%, em 2010, segundo a pesquisa Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), do Ministério da Saúde. No mesmo período, os índices de obesidade saltaram de 11,4% para 15%.


    Poluição

    Com uma matriz ainda baseada em fontes poluentes, mais gente no mundo é sinônimo de mais poluição. Mesmo no Brasil, país que tem como principal fonte energética as hidrelétricas que trazem um baixo impacto ambiental depois de implementadas, a poluição é um problema. Por mais que a indústria automobilística faça ensaios com carros elétricos, os combustíveis derivados do petróleo ainda são a esmagadora a maioria.


    Um estudo da USP
    (Universidade de São Paulo) mostrou que Porto Alegre, Rio de Janeiro, Recife, Belo Horizonte, Curitiba e, principalmente, São Paulo, têm poluição acima do limite estabelecido pela OMS (Organização Mundial de Saúde).

    A poluição não só causa e agrava doenças respiratórias e cardiovasculares. Estudos recentes apontam que ela é uma das
    causas de infertilidade masculina e uma das responsáveis pelo baixo peso de bebês ao nascer.

    Sedentarismo

    As
    doenças não transmissíveis são responsáveis por quase dois terços dos óbitos ocorridos no mundo segundo relatório da OMS (Organização Mundial de Saúde). Bebidas alcoólicas e cigarro são alvo de constantes campanhas de conscientização. Já o sedentarismo, colocada pelo OMS como uma doença, não.

    Ao contrário, a tecnologia e a piora na mobilidade urbana incentivam as pessoas a resolverem tudo no clique do mouse. Oded Grajew, um dos diretores da Plataforma Cidades Sustentáveis, 


    Aids

    O avanço da medicina fez com que a Aids se tornasse uma doença crônica tratável. Mas só para quem tem acesso aos medicamentos e à assistência técnica. A ONU destaca que "para milhões de pessoas nos países pobres, a pandemia continua a se espalhar, e o HIV/AIDS continua a ser uma sentença de morte certa". 


    Os remédios antirretrovirais para combater o HIV só chegam a metade das mulheres doentes.


    A África Subsariana é um destaque negativo em razão da pobreza que assola a região. As meninas e mulheres de 15 a 24 anos dessa zona têm duas vezes mais chance de serem infectadas com o HIV do que os homens, em parte devido à sua vulnerabilidade econômica e social.


    Água

    Atualmente, cerca de 884 milhões de pessoas (praticamente 4,5 "Brasis") não têm acesso a água potável. Pesquisas divulgadas no Fórum Econômico Mundial deste ano indicam que o consumo de água por pessoa cresce hoje duas vezes mais rápido que a população mundial.


    Grajew diz que o risco da água ser motivadora de conflitos bélicos não pode ser descartada. Isso é mais um motivo para essa questão ser vista com prioridade.


    Estresse

    Estanislau Maria, coordenador de comunicação do Instituto Akatu, afirma que as lógicas do trabalho estão em constante mutação. O mundo reduziu bastante a jornada de trabalho desde a revolução industrial, quando um operário chegava a se dedicar até 16 horas todos os dias à fábrica. Porém, as novas tecnologias podem empurrar as pessoas a ficarem conectadas no trabalho o tempo todo, o que é uma fonte de estresse. 


    Além de causar estresse, esse "hiperemprego" acaba tirando vagas de outras pessoas. Para Estanislau, esse trabalho extra deve ser considerado na meta de se trabalhar menos.


    Idade avançada

    O PRB (sigla de uma ONG norte-americana cuja tradução é Escritório de Referência da População) afirma que nas regiões mais desenvolvidas 25% da população tem mais de 60 anos. Em 2050, esse número deve crescer para 33%. Nos países subdesenvolvidos, 5% das pessoas tem mais de 60 anos. Em 2050, esse percentual subirá para 11%.


    Alguns países, como o Japão, já
    enfrentam desafios por causa do envelhecimento da população. O Censo 2010 também apontou essa tendência para o Brasil, o que vai exigir mudanças no mercado de trabalho e no sistema de saúde.

    Segundo Fernando Arbache, professor de logística e infraestrutura da FGV (Fundação Getúlio Vargas), isso deve vir acompanhado de nova mentalidade para receber esse contingente de forma adequada.


    - É preciso mudar como as instituições públicas e privadas enxergam os idosos, principalmente em termos de políticas públicas. Se compararmos com o passado, o Brasil já melhorou bastante nas questões á acessibilidade, pois hoje já sabemos que é preciso conceder serviços já pensando nos deficientes e nos idosos, mas se compararmos com outros países, como Chile, Austrália, Nova Zelândia, Irlanda e Canadá, ainda temos um longo caminho a percorrer.

    R7.com




    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Wll News

    WLL NEWS BLOG Loja Host é referência em Hospedagem de sites, registro e transferência de domínios nacionais e internacionais, web host com servidor dedicado e VPS no Brasil e Exterior.
    HTML LojaHost - backlink Grátis
    Loja Host - http://lojahost.net - Hospedagem de Web Sites e Registro de domínios usando servidor dedicado - Hospedagem 100% Brasileira!


    Espaço para anúncios


    - See more at: http://blogsdesucessos.blogspot.com.br/2012/10/pop-up-like-box-facebook-blogger.html#sthash.ojkRVS7U.dpuf

    Espaço para anúncios

    Espaço para anúncios